Jornal O Espaço - Edição 433

03 Entrevista O Espaço - 433 - RIO VERDE - GO 16 a 30 de novembro de 2018 A cultura de Rio Verde está melhor Em entrevista exclusiva ao Jornal O Espaço, Isaac Pires Cabral, escritor, radialista, apresentador de televisão e gestor da Fundação de cultura de Rio Verde, fala dos projetos e cursos implantados pela sua gestão, que tem beneficiado muitos cidadãos rio-verdenses e divulgado mais o Município em até outros estados do Brasil Jornal O Espaço – O senhor é escritor e assumiu a super- intendência de cultura no início do governo Paulo do Vale. O que o senhor tem fei- to para divulgar e melhorar a cultura de Rio Verde? Isaac Pires Cabral, escri- tor, radialista, apresenta- dor de televisão e gestor da Fundação de cultura de Rio Verde – Implantamos 22 projetos e mantemos 16 cur- sos, como o de teatro, dança do ventre, fotografia e vários outros. Os projetos começam com o apoio à literatura e, hoje, es- tamos prestigiando o lança- mento do livro de Odélio Guerra, intitulado “Aprender a Brincar”. Já é o décimo liv- ro que apoiamos em menos de dois anos. Temos o projeto Livro no Banco da Praça, quando toda semana deixamos 30 livros em praças diferentes e, as pessoas os pegam sem o com- promisso de devolverem, in- clusive, temos feito um acom- panhamento e descobrirmos que as maiorias massacrantes daqueles que pegam os liv- ros os leem. Temos recebido doações mensais de mais de 3 mil livros e o acervo da bibli- oteca subiu de 12 para 18 mil livros. Inclusive, implanta- mos uma biblioteca no Cen- tro de Inserção Social – CIS, que tem ajudado os detentos a melhorarem o nível cultural além de terem penas reduzi- das de acordo com a quanti- dade de livros, lidos. Inclu- sive, 26% dos presos estão lendo os livros deixados, lá. Também abrimos bibliotecas em escolas rurais, incluindo algumas para crianças. Temos vários outros proje- tos, como o Matinê na Praça e vários outros trabalhos com a música, como por exemp- lo, o projeto Circuito MPB, Pop e Rock, que já vai para a 22ª edição; a Orquestra de Violeiros está trabalhando muito e já fiz quase 100 apre- sentações esse ano; a Banda vai tocar mais de 50 vezes, também, e isso, a convite de empresas, escolas e diversas instituições. Temos também desenvolv- ido vários projetos relacio- nados à dança, como a dança do ventre, por exemplo. Temos também o Estúdio para gravação de músicas dos cantores da nossa região, gratuitamente, um projeto que é de 2011, mas que não foi colocado para funcionar e, agora, deve ficar pronto antes do final do ano. Agora, temos o projeto do Teatro, formado por um grupo que inclusive, já está recebendo bolsa pelo Mu- nicípio; outro projeto é o Poetas do Povo, que será apresentado em diversos es- tabelecimentos comerciais, começando pelo Shopping; temos também bons atores, que passaram por concurso na Fundação. Entre outros projetos, temos também o Capoeira Pela Paz. A capoeira estava morta e nós a reavivamos com muito incentivo e mantendo alunos que apresentam em várias lo- calidades da cidade. O Espaço – AFundação pro- move algumas apresentações nas praças da cidade. Do que se trata? Isaac Pires – Trata-se do Pro- jeto Dançando na Praça, que acontece uma vez por mês e já está na oitava edição. Inclusive, esse, foi ideia da vereadora Andressa Martins. Ela acompanha o projeto, que felizmente, está dando certo, tanto, que o número de assistentes tem aumentado a cada apresentação e, na úl- tima vez, teve cerca de 400 pessoas. O Espaço – E sobre o patrocínio dos escritores, para o lançamento de livros. Como funciona e qual é o critério de escolha? Isaac Pires – A verdade é que neste governo acabar- am-se os privilégios. A es- colha é feita através de sort- eios. Os escritores levam seus trabalhos e o sorteio é feito na Fundação. Vou levar a ideia de que continuemos sorteando 5 es- critores e que mais dois se- jam escolhidos pelo Consel- ho de Cultura e pela nossa Academia de Letras Artes e Oficios de Rio Verde. Esta é a minha proposta, que ainda não levei para o Prefeito. Esse é um projeto anti- go, acredito que é de 2010, porém, nós é que estamos colocando-o para funcionar. No governo Paulo do Vale a cultura está sendo levada a sério e realizando muita coisa boa para a população e para os amantes da cultura. O Espaço – E sobre o mu- seu? De quem foi a ideia? Isaac Pires – Quando chega- mos aqui, já existiam várias peças empilhadas em um depósito, inclusive, muitas estavam praticamente perdi- das. Porém, recuperamos o que foi possível; ganhamos mais peças e organizamos o espaço. A verdade é que ex- istia a iniciação de um mu- seu. Como não poderíamos perder aquelas peças, de for- ma alguma, criamos o Mu- seu Claudino Collet. O Espaço – Sobre festivais musicais, em Rio Verde nun- ca teve. Por quê? Isaac Pires – Sobre os fes- tivais musicais, tenho duas ideias para apresentar para o secretário de comunicação. Já devíamos estar colocan- do-as em prática, este ano, mas, como iríamos aprovei- tar verbas do governo estad- ual, perdemos para Anápolis e Goiânia. As ideias são uma bienal de qualidade e, um festival de música ou uma amostra de teatro. Deveremos conseguir realizar o festival de música no próximo ano ou até no máximo, 2020. De qualquer forma, para o próximo ano teremos dois grandes even- tos ao estilo dos festivais, que promoverão a cultura. O Espaço – Por que o Palácio da Intendência. Por que ele está abandonado? Isaac Pires – Mesmo an- tes de assumirmos o gov- erno, em 2016, procurei o Sebastião Lázaro (Tatão), para saber sobre o interesse da UniRV em fazer as devi- das restaurações. É coisa de interesse da universidade e, creio que brevemente estarão resolvendo essa questão. Quanto o mais, quero dizer que a Fundação Municipal da Cultura de Rio Verde, hoje, contribui com a resso- cialização de presidiários, com a divulgação do nosso Município e oportuniza a população ao acesso e a pro- dução de conteúdos artísti- cos em praticamente todas as áreas. A Fundação Municipal da Cultura de Rio Verde, hoje, contribui com a ressocial- ização de presidiários, com a divulgação do nosso Município e oportuniza a popu- lação ao acesso e a produção de conteú- dos artísticos em praticamente todas as áreas. ” ” Isaac Pires, Gestor da Fundação de Cultura de Rio Verde Vende-se 1/4 de terra (10.000) metros quadrados; cidade Rio Verde benfeitorias: Falar c/Peplionio (64) 9 9996-4819 Casa com 2 quartos, sala, cozinha com fogão a lenha no tijolinho espelha- do, 1 banheiro, área de serviço, garagem p 2 carros; Poço artesiano; Caixa d’água de 8.000 litros formato de taça; Somente 20km da cidade; Mangueiro com chiqueiro todo cimentado; Energia elétrica; Córrego passa em toda a terra; Tanque para peixes; Bica d’água; e, Árvores frutíferas.

RkJQdWJsaXNoZXIy